As sutilezas das palavras

No Facebook, os usuários não se tornam mais “fãs” de páginas, agora a gente “gosta” de páginas.  Trocaram o original “become a fan” para simplesmente “like”.  Diferença que parece sutil, mas que na verdade é bem importante.  Parece muito mais fácil declarar que se gosta de alguma coisa, do que dizer que é fã de alguma coisa.  Gostar é algo muito mais leve.  Não preciso ter uma relação tão íntima com uma página do Facebook para dizer que gosto dela.  Já ser fã me lembra adolescentes histéricas gritando por um autógrafo na porta de um hotel.  Eu gosto de muita coisa, mas sou fã de pouquíssimas... 

Essa notícia do Facebook chegou no mesmo dia em que eu e o @jmonteiro discutíamos aqui na @euax sobre code review, ou revisões de código.  Discutíamos a criação de guias pro pessoal ser cuidadoso na escolha de palavras nas reviews, para evitar de ser desnecessariamente combativo, acusador.  Lembrei imediatamente de um trecho do Rework, livro do pessoal da @37signals.  Ele tem um capítulo chamado “Four letter words”, que traduzo abaixo (1): <!--more-->

Existem palavras de quatro letras (em inglês) que você não deveria usar em negócios.  Elas não são fuck ou shit.  São need (precisa), must (deve), can’t (não pode), easy (fácil), just (apenas), only (somente), fast (rápido).  Essas palavras atrapalham a comunicação saudável.  Elas são bandeiras vermelhas que introduzem animosidade, bombardeiam boas discussões e causam projetos a atrasar.

Quando você usa essas palavras de quatro letras, você cria situações branco-e-preto.   Mas a verdade raramente é branca e preta.  Então as pessoas ficam magoadas e os problemas surgem. 

Eis o que está errado com algumas delas:

·         Need (precisar).  Poucas coisas realmente precisam ser feitas. Ao invés de dizer “precisa”, você estará melhor se usar “talvez” ou “o que você acha disso?” ou “como soa isso?” ou “você acha que a gente consegue se virar com isso?”.

·         Can’t (não pode). Quando você diz “não pode”, provavelmente pode. As vezes existem até “não podes” opostos: “Nós não podemos lançar assim, porque não está certo” versus “Não podemos gastar mais tempo nisso porque temos que lançar”.  Ambas as afirmações não podem ser verdadeiras.  Ou espera um pouco, será que podem?

·         Easy (fácil). Fácil é uma palavra usada para descrever o trabalho dos outros.  “Isso deve ser fácil para você fazer, certo?”. Mas perceba como as pessoas raramente a usam para descrever suas próprias tarefas para você. Para você, é “deixa eu dar uma olhada”, e para os outros é “faça”.

Essas palavras de quatro letras frequentemente aparecem em debates (e também tenha cuidado com os seus primos: todos, ninguém, sempre e nunca).  Uma vez pronunciadas, elas tornam difícil encontrar uma solução. Elas empurram você para um canto ao colocar dois contrários em oposição. É aqui que as cabeças começam a se bater. Você remove qualquer meio-termo.

E essas palavras são especialmente perigosas quando você as coloca juntas: “Nós precisamos adicionar essa funcionalidade agora.  Nós não podemos lançar sem essa funcionalidade.  Todo mundo quer. É só uma coisinha e deve ser fácil. Você deve conseguir isso bem rápido!”.  Algumas poucas palavras, e veja quantas suposições.  Essa é uma receita para o disastre.

 A escolha de palavras raramente é neutra, e dificilmente a gente pensa sobre isso no auge de uma discussão acalorada.  Os budistas já sabiam disso, já que “linguagem correta” é o terceiro dos oito passos para a iluminação...

 (1)                Acho que o pessoal não vai se incomodar de eu ter traduzido um trechinho do livro deles aqui...