A arte de escolher seus amigos

Recentemente estive em um evento local para parceiros de uma grande empresa de tecnologia, cujo nome não será mencionado para proteger os inocentes.  Basta dizer que é uma das grandes.  Nesse evento, entre outros recados paroquiais, o "Technology Advisor" da empresa apresentou a estratégia deles para cloud computing, e a linha de produtos que essa empresa disponibiliza nessa área.  Essa empresa entrou atrasada na briga da cloud computing, e portanto precisa alcançar os concorrentes e tentar recuperar o tempo perdido.  &lt;!--more-->Pois bem.  Quando estava apresentando o conceito de "Platform as a Service", o Advisor menciona que existe uma oferta semelhanta da Google (o Google App Engine) e pergunta para o seu colega que está na platéia acompanhando a aprensentação, "Ainda existe esse produto da Google?  Ele é tão ruinzinho, acho que foi descontinuado".  Hmmm.  Isso tudo enquanto o mercado especula sobre o quanto o recente lançamento do Google Apps Marketplace <a href="http://www.thestreet.com/story/10751563/1/google-business-apps-sting-apple-microsoft.html?cm_ven=GOOGLEN">vai atingir Microsoft e Apple</a>, a Google anuncia a <a href="http://www.pcworld.com/businesscenter/article/196676/googles_app_engine_now_in_business_version.html">versão Enterprise da App Engine</a>, e surgem boatos de que a <a href="http://www.infoworld.com/t/software-service/will-google-buy-salesforce-next-827">Google pode comprar a Salesforce</a> para esquentar a briga no mercado corporativo.  Acho que o cargo de “Advisor” no cartão do indivíduo está meio errado, poderia ser “Misadvisor”...

Porém, não é isso que quero discutir aqui, e sim como esse tipo de mensagem especifica muito claramente para quem essa empresa está falando.  Nesse caso, fica claro que o objetivo é deixar os diretores e donos de empresas confortáveis com a solução que estão apresentando, mesmo que isso custe a simpatia de alguns indivíduos mais bem informados sobre tecnologia.  Acontece que ninguém gosta de se sentir enganado, e isso acaba criando sentimentos negativos muito fortes nessas pessoas.  É mais ou menos assim: “não me preocupo se você ficar bravo comigo, você já me odeia mesmo, desde que consiga convencer esse camarada aqui com o cheque gordo de que sou a oitava maravilha do mundo da cloud computing”.  Depois tem que ficar pulando no palco gritando “developers, developers, developers”...